Texto de Irmã Ilia Delio

 

Uma das pessoas mais notáveis que conheci ao longo desta jornada da vida é o falecido Jesuíta Padre John Haughey. Sua mente aguçada foi combinada com seu senso de humor divertido. Como colegas do Woodstock Theological Center, John e eu passamos muitas horas falando sobre o mistério da matéria e a presença de Deus.

Uma vez, durante nossa conversa, ele contou como havia de terminado um retiro, em que o ponto alto do retiro não era a oração interior, mas a experiencia de olhar para uma flor buttercup (botão de ouro). Durante todo o seu retiro, ele ficou com esta pequena flor todos os dias, totalmente presente a ela, sendo atraído para o milagre de sua delicada vida.

Muitas vezes penso na experiência de João porque ele descobriu Deus no lugar mais inesperado, as frágeis e delicadas pétalas de uma flor de buttercup (botão de ouro). Deus é a profundidade final de tudo o que existe, escreveu Paul Tillich, mas devemos aprender a ver. Jesus perguntou repetidamente aos seus discípulos: O que você vê? Pois o reino de Deus está aqui e agora. Para os incrédulos, ele lamentou: "É porque você diz que vê que sua cegueira permanece" (João 9:41).

Pierre Teilhard de Chardin, o famoso cientista jesuíta, também era um forte defensor da visão. "Ver e fazer os outros verem" foi o coração de sua obra-prima, O Fenômeno Humano. "Toda a vida está nesse verbo", disse ele.

Que tipo de vesião é essa revela não apenas a superfície das coisas, mas também o seu  interior? Aqui está a questão que distingue a visão física da visão espiritual, como escreveu Antoine de Saint-Éxupery em O Pequeno Príncipe: "Só se vê bem com o coração, não com a razão, o que é essencial é invisível ao olho físico".

São Francisco de Assis viu com seu coração. Ele era um místico da natureza cujo olhar interior transformou o mundo no corpo vivo de Cristo. Quando ele viu dois galhos na forma de uma cruz, a paixão de Cristo foi despertada nele; quando viu uma minhoca ao longo da estrada, pensou no Salmo 22:6: "Eu sou um verme e não homem, desprezado por todos."

E quando ele ficou fisicamente cego no final de sua vida e não podia mais tolerar a luz do dia, ele viu o mundo apenas partir de dentro, um mundo radiante com o esplendor de Deus, expresso no Irmão Sol, Irmã Lua e Irmã Mãe Terra.

A visão evangélica nos chama a ver o incrível: este mundo todo, louco e caótico está cheio de Deus. A vida cristã está aprendendo a ver o que já está presente e a se unir com o que se vê; esta é a vida sacramental. Michael Himes afirma que um sacramento é qualquer coisa que desperta, anima e expande a imaginação, abre a visão do olho interior e enriquece a sensibilidade de qualquer ser humano.

Somos convidados a ver o invisível no visível, para experimentar, notar, aceitar e celebrar cada milagre da vida, seja um pequeno galho, uma pequena flor, ou um humano corpulento, porque tudo está explodindo com a vida divina. "O mundo é carregado da grandeza de Deus", como escreveu Gerard Manley Hopkins, mas se estivermos distraídos, desatentos ou isolados das energias pulsantes da vida, sentiremos falta da percepção do milagre.

Os cientistas hoje falam de emaranhamento, a ação inextricável de tudo sobre todo o resto. O papel da consciência é fundamental para perceber nossa interdependência porque o emaranhamento sugere que todos os aspectos da matéria têm agência. Não é simplesmente o ser humano olhando para a xícara de manteiga, mas a xícara de manteiga está olhando para o humano; nós humanos e xícaras de manteiga somos parte de um todo cósmico. Quando olhamos para uma árvore ou uma flor, também estamos olhando para nós mesmos, pois somos feitos do mesmo material que faz xícaras de manteiga e nozes exclusivamente frágeis e bonitas.

O que une toda a vida? Teilhard disse que o amor forma a estrutura física do universo; o amor é a energia central da vida cósmica. O amor une e atrai observadores e observados em uma união de vida, aberta a uma nova vida. Só um Deus do amor eterno poderia fazer algo tão louco. Apenas um Deus bêbado de amor, como escreveu o Pseudo-Dionísio, poderia renunciar ao poder da divindade e tornar-se pequeno e frágil em uma pequena flor amarela.

É essa desistência do poder divino que permite que Deus more em lugares inesperados, capacitando todos os aspectos da vida a se tornarem algo mais apaixonado, mostrando-nos que a frágil, frágil e fraca matéria tem o poder de ser transformada em algo eterno. "Não há nada profano abaixo", escreveu Teilhard, "para aqueles que sabem como ver."

Toda a criação está grávida do amor infinito de Deus; Deus está sempre amando o mundo com tudo o que Deus é. Uma vez que não podemos conceber Deus separadamente da existência material, toda a vida neste universo do Big Bang é incarnacional; é completamente Crística. Deus está dinamicamente engajado em todos os aspectos da vida física, desde o início, atraindo todo o amor para a plenitude do ser.

Esta é a boa notícia da mensagem da Páscoa. Deus não está morto ou ausente ou aposentado; Deus está ativo e vivo, aqui e agora, nas coisas que chamamos de matéria. A matéria importa para Deus, mas temos que nos desconectar de nossos dispositivos, sair de nossos cubículos, e abrir nossos olhos para ver. Deus está fazendo coisas novas e nós somos convidados para esta dança da vida sempre fluindo.

A Páscoa nos diz que não somos só nós que somos salvos, mas Deus é salvo de uma vida solitária do poder divino. Deus é o grande aventureiro cósmico que oferece um convite divino para ressurgir dos mortos e se juntar à exuberante celebração da vida, pois, verdadeiramente Cristo ressuscitou!

Uma versão desta história apareceu na edição impressa de 15 a 28 de abril de 2022 sob a manchete: Olhando para uma xícara de manteiga através dos olhos da Páscoa .

Texto original em inglês,  National Catholic Reporter,  Global Sisters Report  16 de abril 2022      www.ncronline.org 

Ilia Delio, membro das Irmãs Franciscanas de Washington, D.C., é a Josephine C. Connelly Dotada de Cadeira em Teologia na Universidade de Villanova.